24 de nov de 2009

Manhã Qualquer


Desde cedo já cai a garoa...
Pouco incomodando os corpos pouco dormidos...
Não diferenciando ontém e hoje...
Somente havendo existido...

21 de nov de 2009

poeira das esquinas

Na paisagem cada vez mais dissolúvel
onde não encontro eu mesmo
e nem sequer meus companheiros de caminhada
eu... vejo...

Esqueço lembrando do dia e da luz que clareia, queima, cega e alimenta
na quina da lua cresce o fungo que não ameaça na da nem ninguém
eu sou um canal, uma via, a senda
mas eles não me escutam
a surdez é fundamental para o esquecimento...

Ao erguer a estrada
que me leva ao lugar do mistério
traço o caminho de retorno ao tempo
quando pela primeira vez chorei
amei, penei, adormeci e vi
o verde que descama de dentro de mim...

E que não me importe a coerência
o que digo aqui agora é tão misterioso
que quem o ler não lerá
e deixara isto como se deixa mais uma esquina
onde o vento cruza trazendo tudo
não deixando nada...