27 de jun de 2016

Os Cinco Saberes do Pensamento Complexo*

Saber Ver
O essencial é saber ver,
Saber ver sem estar a pensar,
Saber ver quando se vê,
E nem pensar quando se vê
Nem ver quando se pensa.
                                                                   Fernando Pessoa

   “Saber ver é antes de mais nada saber ver os nossos semelhantes. De fato, a localização anatômica dos nossos olhos mostra que eles estão orientados para ver o mundo — isto é, para ver o outro. Todos sabemos que há certas partes de nossa anatomia que só podemos enxergar em ângulos muito precários, e outras que não podemos ver de modo algum”. (Humberto Mariotti)


Saber Esperar

Tudo de novo, tudo eternamente, tudo encadeado, forçado: assim amaste o mundo; vós, os eternos, amai-o eternamente e sempre, e dizeis também à dor: ‘Passa, mas torna!’ Porque toda alegria quer a eternidade.
                                                                             Nietzsche

   “Saber esperar não é uma condição que deriva de um conjunto de regras, de um sistema filosófico ou de uma disciplina pragmática. Tampouco é uma condição transcendente, à qual devemos nos curvar movidos pela fé. Trata-se de uma dimensão importante da condição humana, e negá-la é negar a própria essência do viver”. (Humberto Mariotti)


Saber Conversar

Só depois de se haverem arranhado penosamente uns aos outros, nomes e definições, percepções e sensações, só depois de tudo haver discutido em discussões benévolas em que a má vontade não dita a pergunta nem a resposta, a sabedoria salpica todas as coisas intensamente, quando a força humana lhe permite.
                                                                                                             Platão

   “Reaprender a conversar significa aprender de novo a utilizar nossos espaços de criação. Ou seja, dizemos o que os outros querem ouvir para que eles nos respondam o que queremos ouvir — e assim nada se aprende e nada se ensina”. (Humberto Mariotti)


Saber Amar

Oh! Irmãos humanos e futuros cadáveres
tenham piedade dos reles mortais; que
dessa piedade nasça, enfim, uma humilde
bondade, mais verdadeira e mais digna do
que o presunçoso amor ao próximo.
                                                                  Albert Cohen

   “Se o inferno são os outros, a felicidade também o é. Se não existe inferno sem os outros, também não há felicidade sem eles. Amar é algo que já se nasce sabendo. Em geral, os pais tentam educar as crianças para aperfeiçoá-las nesse saber. A inteligência é ao mesmo tempo o resultado do amor e a vertente que o faz brotar. Quem ama estende a mão. Quem estende a mão prepara-se para o abraço — e não se pode abraçar a quem não se ama.”. (Humberto Mariotti)


Saber Abraçar

Joga teu pesar no abismo!
Esquece, Homem! Esquece, Homem!
Divina é a arte do esquecer!
Queres voar,
Queres habitar as alturas:
-joga o que mais te pesa no mar!
Aí está o mar, joga-te no mar!
Divina é a arte do esquecer!
                                                                                                   Nietzsche

   “Para saber abraçar, é preciso antes saber amar. Surge então a pergunta: o que será que eu preciso ver no outro para que possa sentir vontade de abraçá-lo, isto é, tornar-me solidário com ele? Em primeiro lugar, preciso ver a mim mesmo, e é por isso que devo evitar projetar nele o que não desejo em mim. A maneira como vejo o outro depende mais de mim do que dele, isto é, como trabalho o meu ego e dos resultados a que chego”. (Humberto Mariotti)


[* A partir de H. Mariotti: “Os Cinco Saberes do Pensamento Complexo - (Pontos de encontro entre as obras de Edgar Morin, Fernando Pessoa e outros escritores) in: I Ciclo Multiplicadores de Cultura de Paz nas Políticas Públicas ConPAZ conpaz@uol.com.br]


/rompendo o muro/

Nenhum comentário: