15 de fev de 2010

Véspera de Carnaval

Tal noite
passei em horas já escuras
colhendo o lixo dos canteiros das ruas
terrenos baldios, esquinas abandonadas, muros sem porquês
E reguei com lágrimas & suor
os espinhos acesos & eretos
das plantas soturnas
para podar dos passeios
intempéries de afinco & embriaguez

Por entre cães & gatos
que reviram o lixo
passei como igual limo
Fera obsoleta
Na noite vespertuna
por entre o sono dos pardais
& a vigília dos seios abandonados

Pelas ruas
através das trilhas dos bares abarrotados
no caminho que cala a vontade imensa
Com o álcool das ilusões
eu posso sentir
o silêncio para além dos medos

Silencio o som das casas de família
que esperam mudas o dia chegar
& a véspera de carnaval passar

Porém... então... todavia... pois...
irrevogavelmente
lá vem o Carnaval
Varrendo o lixo das ruas
levando consigo
para debaixo de luxuoso tapete
os pobres, as putas, os nus, a lei policial, as drogas
a moda, delírio, gozo, choro, rancor

Alienação ou libertação?
Vespertina espera libertina
Chegou...


1 de fev de 2010

Série Poemas Imaginados & Imagens Poetizadas

Três Árvores

Troncos que se contorcem

como corpos em paixão

de ser dois & ser um

compenetração


Árvore

Como gente de pernas para o ar

Doando ao céu

Suas genitálias expostas


E longe, nos recantos do descanso

A grande árvore sabia

Com sua armadura de cipó

Como a predizer de lonjuras

O encontro de um dia

Onde as máscaras caem.