18 de jul de 2016

A Localização da Consciência

The Origin of Consciousness in the Breakdown of the Bicameral Mind

(“A Origem da Consciência na Ruptura da Mente Bicameral”)

de Julian Jaynes


“A Localização da Consciência”
(pág.50 e ss.)

   A falácia final que analisarei é importante e interessante; a deixei para o final porque creio que dá o tiro de misericórdia na teoria comum da consciência. Onde é o lugar da consciência?

   Todo mundo ou quase todo mundo tem como resposta à isso: na cabeça. Isto se deve a que quando introspectamos parece que buscamos ali dentro ver um espaço interno, situado atrás dos olhos. Mas o que queremos dizer com ver ou buscar? Às vezes até fechamos os olhos para observar os pensamentos, para introspectar com mais clareza. Introspectar o que? Esta índole espacial parece inquestionável. Todavia, parece que avançamos quando menos “vemos” em diferentes direções. E se esforçamos muito para caracterizar mais este espaço (apesar de seu conteúdo imaginado), sentimos uma vaga irritação, como se houvesse algo que não quisera ser conhecido, uma qualidade que resulta ser desagradável indagar sobre, como, digamos, uma atitude rude em um lugar amistoso.

   E não nos basta situar este espaço da consciência em nossa cabeça, supomos que aí está no caso das demais pessoas. Ao falar com um amigo mantemos um contato periódico olho a olho (esse vestígio de nosso passado de primatas em que o contato olho a olho se relacionava com o estabelecimento de hierarquias tribais), e sempre supomos que há um espaço detrás dos olhos do nosso interlocutor, similar ao espaço que imaginamos haver em nossas cabeças, do qual vêm o que dizemos.

    E este é o verdadeiro centro da questão, porque sabemos perfeitamente que não há nenhum espaço dentro da cabeça. Na cabeça não há outra coisa que tecidos fisiológicos de um tipo ou de outro. O que seja predominantemente neurológico não tem importância.

   Não é fácil nos habituarmos à este pensamento. Significa que continuamente estamos inventando estes espaços em nossa cabeça e nas dos demais, sabendo bem que anatomicamente não existem; a localização destes “espaços’ é de todo arbitrária. Os escritos aristotélicos, por exemplo, situam a consciência ou a morada do pensamento precisamente em cima do coração; segundo este pensador, o cérebro não era outra coisa a não ser um simples órgão refrigerador, pois era insensível ao toque e às lesões. E muitos leitores não lhe tiraram sentido nesta analise porque situam seu pensamento em algum lugar da parte superior do peito. Sem embargo, para a maioria de nós está tão arraigado o hábito de situar o pensar na cabeça que seria difícil pôr-lo em outra parte. Mas, em verdade, você poderia ficar onde está e situar igualmente sua consciência no ambiente em volta, junto à parede e perto do piso, e realizar seu pensar ali tão bem como o faz em sua cabeça. Bem, não tão bem porque há importantes razões para situar nossa mente-espaço dentro de nós, razões que tem a ver com a volição e as sensações internas, com a relação de nosso corpo e nosso “eu”, as que serão mais destacadas conforme avancemos em nossa investigação.

   Que não exista necessidade fenomenológica de localizar a consciência no cérebro é uma tese que vêm a reforçar alguns exemplos anormais, no que parece que a consciência está fora do corpo. Um amigo meu que recebeu uma lesão frontal na parte esquerda do cérebro recobrou a consciência localizando-se eufórico em um lugar do teto de um hospital, de onde podia ver-se a si mesmo deitado em um leito e envolto em bandagens. Os que consumiram a dietilamida do ácido lisérgico (LSD) falam de experiência fora do corpo, ou exosomáticas, que é seu nome. Coisas como estas não indicam nada metafísico, simplesmente indica que localizar o lugar da consciência pode resultar arbitrário.

   Mas não tomemos conclusões errôneas. Quando estou consciente, sem duvida estou usando sempre partes de meu cérebro, que estão dentro de minha cabeça. Mas o mesmo ocorre quando ando de bicicleta, se bem que o andar na bicicleta não ocorre dentro de minha cabeça. Os exemplos são diferentes, claro, porque andar na bicicleta ocorre em uma localização geográfica, o que não se sucede com a consciência. Na realidade, a consciência não tem localização nenhuma, exceto quando imaginamos que tenha.

(tradução e.m.t)




12 de jul de 2016

Koans da Quirilidade

Tem coisas que simplesmente nos atropelam
Outras que ignoram nossas vontades
Algumas que são impossíveis de ser

Implique com tudo
   menos com a Terra rodando...
Se revolte contra qualquer coisa
menos com a morte...
Ande na corda bamba
   ao menos se pensas com os pés...

A música das esferas é o som da queda
As certezas são  opiniões fulminantes
O caminho do meio não é uma estrada

& se não entendes do que eu falo aqui,
& vai piorar,
É porque tudo te falta para ser eu

Não te preocupe com o que te escapa
A luz com seus desvios nos envia para o mesmo lugar
Passado presente futuro são estados de humor do espaço

É irresistível fugir do sentido das coisas
Girando para esquerda
Tudo contraria o que te conto

Me dê só essa licença poética
De um Eon eterno
Para findar a munição de minha metralhadora de metáforas

Tanto assim me perdoe a gramática
Para mim ainda existem estórias
E minhas idéias ainda tem acento

Avexe-se rebolando na ponta das agulhas a língua dos anjos
La Madruga só será Aurora
Quando a Estrela da Manhã lhe abandonar
Adeus, Adeus, Adeus
Me lembra de Lennon
Antes da mão do apanhador

Poderia ficar assim no instante oco
Telegrafando insônia
Mas vou acabar...

Sua benção Burroughs
Cut Ups no escuro do quarto de pensar
 Live is a Killer, que o diga Hassan

Contra o muro da realidade
Berlim ainda faz ponte com Tóquio
Onde bonzos tontos meditam nesses koans da quirilidade.


2 de jul de 2016

Ampulheta de Cores em Preto & Branco

Olho para as pequenas imensidões
    que me roubam o fôlego quando as encaro
Quero ouvir a voz do espanto dentro de mim
    que sempre fala sobre esse mundo mudo
Seus cantos & encantos de abismo irrecuperável...

Diante de todas as provas de tudo
   a voz fala do nada
Apesar das impressões dos sentidos
   a sensação é da falta de sentido

& o saber
   que não mais me deixará dormir
Lança-se rápido na viagem desde o nada
    até emergir nessa superfície do tudo

Somos fruto de um pensamento
Com o qual pela eternidade
    queremos nos encontrar
         fugindo dele...
         ...fugindo dele
        encontramo-nos

O peso disso se chama existir!
Ampulheta que não registra
   o pó que caí no esquecimento...


“Joga teu pesar no abismo!
Esquece, Homem! Esquece, Homem!
Divina é a arte do esquecer!
Queres voar,
Queres habitar as alturas:
-joga o que mais te pesa no mar!
Aí está o mar, joga-te no mar!
Divina é a arte do esquecer!”
                                                 N.