17 de set de 2012

Tattoo: Corpo & Alma


Te tatuo com os olhos
   & enquanto decoro tua pele
      dispo de qualquer decoro essa nudez agora colorida,

Cordial é a agulha que te perfura, em dor... & densa satisfação...
   até debaixo da flor de tua tez
O mais próximo daquilo que verdadeiramente poderíamos chamar
   “sentir na carne!”

Despudorado é meu olhar que te tece em pele nua, ardor...  tenso tato...
   até se completar o sinal definitivo
O mais perto que estamos de poder nos transformar
   em “arte encarnada!”

Tu és o modelo vivo
Em minhas mãos te mastigo, te costuro com os olhos
   agulhando a pele, tecendo a tez
      a imagem de tua vontade... minha arte dolorosa!

Encarnas então a marca
Sinal dos tempos, de tua simples voragem...
Ah! Tatuagem!

Não há nada mais espiritual, que seja assim: tão corporal!









10 de set de 2012

Yoshodara

Dorme a noite da alma fêmea
Pois em teus braços repousa
   o fruto do seu amor
Aquilo que de mais belo já viu.
Dorme a Noite, pois a alma da mulher é masculina
   & a alma do homem é fêmea...

Princesa
Agora que os elefantes que não dormem descansam
Tu procuras lavar em lágrimas de abandono e saudade
A dor que só um nono caminho pode sanar,
Nem dor, nem doença, nem fome & nem morte
Podem dar a sabedoria de aceitar,
Só o prisma do desistir feminino abrange toda ventania.
Yoshodara!

Agora
   o Príncipe geme & sofre
      por ti & pelo teu filho também,
Agora
   as portas da existência são abertas
      para uma luz que iluminará o abandono também,
E nos séculos adiante
   falarão do teu Príncipe
      & tu Yoshodara será aquele detalhe
         que explicará toda a história...

Pois tu Yoshodara
És o campo de batalha & o jardim
Tu és o ventre & a fogueira
   a cova & a alcova,
A resposta: Yoshodara!
Tu a sabes no silente silêncio das noites
   em que os Budas partem do refúgio
     para o súbito fugido da Iluminação...

Oh! Tu! Yoshodara!
Que era fuga & da fuga que o fatigado fugiu,
A chave do cansaço
   & das certezas que existem para se negar
Porque para os que partem
   é preciso ter algo para se deixar
É preciso pelas dobras de tua estrada passar...

Assim, no quando o Samsara for terminar
Arrobaremos cheios de perdas corretas
   ao Nirvana dos encontros que são nada,
Pois aquele ao que muito renuncia
É aquele que muito encontrará
Oh! Nada! ...!
Oh! Yoshodara!
Reflete na beatitude e nos ensina
Se é melhor satisfazer mil desejos
   ou conquistar apenas um...

Assim não maldizemos o amor
Nem deixamos de abençoar todo prazer
Pois há esse caminho:
Yoshodara!
Caminho que só se abandona
   se em sono profundo queda a senda
Para que não se ouçam os apelos
Da ilusão que o corpo faz
   entre um amor menor
      & aquele Verdadeiro Amor
         que nós só conhecemos pela Dor.




-poema inspirado no filme "Samsara" de Pan Nalin

4 de set de 2012

Rumo ao Ponto-Zero


   Estamos na fase final da compressão dos milênios dentro do espaço temporal que temos até 21 de Dezembro.

   Desde o dia 13 de Agosto temos comprimido dentro de nossa linha temporal mais ou menos os últimos 2.500 anos da História humana, até que finalmente chegue o Ponto-Zero às 8 e pouco da manhã do dia 21 de Dezembro. Até lá estamos confinados a reviver em nosso mundo esses últimos 2.500 anos, e quem tem um pouco de informação histórica sabe então o que está por vir no palco de nossa existência terrestre.

   Vamos simplesmente reviver em nível pessoal e geral o apogeu e fim do Império Greco-Romano, o advento do Cristo, a Idade das Trevas, o surgimento do Islã, a Inquisição, a “descoberta” das Américas, o Iluminismo, a Revolução Industrial, as Grandes Guerras Mundiais, a ida à Lua, e os últimos 60 anos de nossa história contemporânea, e tudo mais, tudo mais...

   Reviverá no mundo todo este zeitgeist belo e horrível que perpassa nossa civilização e leva finalmente à derrocada final que ainda está por vir cavalgando na onda temporal que deve fazer com que enfim surja a Novidade final em Dezembro próximo.

   O que está por vir? Uma nova era? Ou nada?!

   Há a expectativa latente no seio da humanidade esclarecida sobre o assunto, mas como será o que está por vir é uma total incógnita. O que basta sabermos já sabemos, isso é o minimamente suficiente para penetrarmos nesse “tempo” que se desfila ante nossos olhos.

   Fiquemos atentos principalmente à nossas vidas pessoais, as sincronias que se desencadearem, às experiências que viveremos nesses dias e que assim possamos fazer nossa leitura particular sobre tudo isso. Quando chegar aquele momento crucial, possamos adentrar ou não no momento-mor de nossa existência um mínimo cientes daquilo que acontece.

   Mas devemos principalmente estarmos cientes de nossas ações, de nossa influência no mundo nesses dias, seremos simplesmente agentes ativos do grosso dos momentos históricos que definiram nossa condição básica de ser no mundo hoje. Isso impedirá que um bocado de determinismo negativo se re-efetue na linha da história humana, e assim quando chegar a manhã da Sexta-feira 21 de Dezembro de 2012 estejamos sintonizados com a própria onda temporal que irá fazer seu giro final e reiniciar um novo tempo.

   Há algum tempo atrás me veio um ensino em estado de expansão da consciência provocado por ayahuasca, a planta mestra me dizia que eu devia estar atento para não deixar se repetir em minha vida pessoal os grandes erros da história da humanidade. Creio que é esse o espírito com o qual devemos estabelecer nosso animo mental nesses próximos cento e vinte poucos dias.

   E não devemos perder qualquer oportunidade de agir artisticamente no mundo de agora em diante. Isso quer dizer que devemos viver intensamente e deixar aflorar nossa arte pessoal no mundo, agir com os sentimentos à flor da pele e não aceitar o que de pior aconteceu à raça humana nos últimos dois milênios, a corrupção de sua integridade e de sua liberdade essencial e natural. Só isso já poderá ser o determinante quando formos perscrutados pelos ecos do tempo se devemos continuar a existir ou se devemos ser extinguidos como raça neste mundo. E creiam-me quando lhes digo isso, que mesmo que não aconteça nada de grandioso ou de minimamente aparente na realidade, esse momento é crucial para que tomemos essa decisão e agir artisticamente, vibrarmos dessa forma fará toda a diferença para o futuro de nossa espécie.

   A maioria de vocês pode não perceber, pode não ter a atenção voltada para a minuciosidade de observar nossa realidade assim, tão intricadamente simples. O fato é temos perdido muitas guerras que fazem toda diferença do rol geral das coisas da psique humana. Temos sido indiferentes à coisas básicas como poluição, como a atenção aos outros seres que estão do nosso lado, não só nossos semelhantes, mas tudo que é vivo, temos sido desleixados com a beleza e a poesia das coisas.

   Um exemplo muito relevante: viveremos momentos interessantes dentro dessa onda temporal, um são as eleições municipais de Outubro. O quão propensos estamos a repetir a história política brasileira nas últimas décadas de “democracia”. Fará toda a diferença na nossa ressonância temporal enquanto povo brasileiro o modo como formos votar e como votaremos então. É claro que as conjunções políticas foram decididas acima de nosso âmbito de poder e então agora temos as escolhas que nos deram, mas o que faremos com essa possibilidade de escolhas e o que vier depois é o que importa. Cada um que reflita!

   O fato é que devemos estar conscientes que tudo em nossa volta tem implicações muito mais profundas, digamos, implicações que vão desde os 25 mil anos-luz que é a distância entre nosso mundo e o centro de nossa galáxia até os 25 milésimos de segundo que nos separam da pessoa à nosso lado. O que quero dizer é que toda e qualquer apatia e indiferença que expressarmos agora em nossas vidas será a marca que levaremos consequentemente até o final de nossas vida, aconteça daqui cento e vinte pouco dias, muito mais ou muito menos...

   É chegado o momento, tardio ou não, de agirmos no mundo com um pouco mais de arte e generosidade, um pouco mais de atenção com tudo, da forma correta, que certamente não é como a que estamos fazendo até agora de um modo em geral. Nós somos responsáveis, sempre o fomos, mas agora vivemos um tempo especial.

   Então meus amigos, prestemos atenção às coisas, com a mente calma e limpa saibamos ler o que o tempo nos diz, saberemos como agir, pois já temos isso na memória, basta estarmos íntegros e sinceros conosco mesmo e a “vida” nos dirá como agir nesses dias.

"Porque agora vemos por espelho, em enigma, 
mas então veremos face a face: agora conheço em parte,
 mas então conhecerei como também sou conhecido"


   E que em breve possamos todos nos encontrar na 4ª Dimensão!



“A beleza com que tu vives,
A beleza pela qual tu vives,
A beleza sobre a qual constróis tua vida.”