3 de out de 2011

O Invólucro de Todo Medo




Desamparo
Em grilhões orgânicos existenciais
          neste universo fechado & lacrado
Carne carma
                    sempre quase
                                     desespero,

Fome
Na eterna fome entre as estrelas
E carregar no corpo
           esse peso de matadouro
                              de traição & envenenamento
A dor de tudo que é ser,

Corpo:
Invólucro dos medos
Prisão própria dos sofrimentos
 mergulhado no ar
                                     & no vácuo
de um oceano de prováveis prazeres
                                                         & desprazeres ,

E nessa trilha cortante
                         sulcada ao fio de uma navalha cega
                                     dos espinhais de abandono & desprezo
Só nós mesmos
podemos permitir
                                    emergir como uma dor destoante
                                    uma metástase de alegria:
até renegar
até ranger
até arrastar
até ruir
todo encrave de existência
              até podermos nos ferir sem doer
                                                        com um pouco de
êxtase! 


Nenhum comentário: