1 de jun de 2016

Passaporte-ParadoXo

&nte do não-ser,

Sou um romântico
     sem ninguém para amar...

Filósofo irracional,
     poeta da feiúra.

Durmo de dia,
     vivo à noite.

Meu prazer está na exaustão
     & se choro é para alegrar as horas tristes.

Rio de mim mesmo
     & não acho graça na comédia da vida.

Para mim nada é sagrado,
     mas o mais sagrado é a mulher.

Escuto músicas violentas
     para apreciar seu silêncio quando acabam.

Sonho para provar a ninguém
      que a imaginação é melhor que o real.

Sou um comunista egoísta,
     um socialista solitário;

Creio nas fronteiras
     tão quanto for
          a maldade dos homens ali cercados.

No meu passaporte paradoxal
     estão as chancelas de estrelas
          dos mundos imaginários que visitei.

Creio na alma
     quando na imensidão
          do impacto da carne sobre a carne.

O meu Deus tem como anjo
     o sátiro que disse
          que o melhor para o homem é morrer.

Meu caminho, um arco-íris,
     que sigo como um mapa de nuvens cintilantes
          & multicoloridas em cromo negror rumo ao me perder.


Nenhum comentário: