1 de dez de 2016

Meu Grande Meio-dia


                                                                                                “Agora estou em paz
                                                                                                  o que eu temia chegou!
     Belchior
Linhas paralelas
   percorrem todo um universo,
Hão de se encontrar
   no ponto de saída dessa prisão...

Gira a roda,
O carrossel à minha volta
   quase alcança
      a velocidade da tua luz...

Sei que estou de partida:
Quem sabe que não vai voltar
   parte antes de anunciar,
Mas não hoje, ainda, devirá...

Pela falta de algo perfeito
   aqui do meu lado, aqui dentro de mim,
Acordo & sei:
   concordo que é a última vez...

O anel se romperá!
O retorno eterno não mais será,
No hálito do redemoinho,
   pressinto a saudade que ninguém terá...

Já desponta um arco-íris branco
   que os olhos de fora enxergam multicolorido,
De fato, do Amor Fati ele é uma ponte
   apontando um cume distante...

Ainda me esforço
   fazendo nada, mastigando tempo & espaço,
Para que ao sair
    que você saia também, assim quando faço, nos desfaço...

Tão belos,
Mas não mais enganados pelo crepúsculo.
Subvertidos pelas auroras,
Seremos finalmente feios...

& quando não voltarmos mais,
Nada será mais do que como nunca foi
Um dolo, um engano, um nada,
É assim que agora deve ser. 


Nenhum comentário: