15 de ago de 2008

Coda Sum Soma

Ventos a zero
Rumo a ficar
No mesmo lugar

Mover, vencer, sair
Deixar morrer
Desbotar é renascer

O ápice da época
É a morte dos Deuses
Manjedoura de Gênios

No chão vira terra
A terra é o lar
O lar útero é mãe/mão

Calor de Gaia
Febre das rochas
Pus de magma

Dissolve de eus
A alma tramada
Destino, sina, decisão

Tudo que é grande
Está em meio à tempestade
Palavra caos, silêncio carne

Meus ramos lúdicos
Derramam derrotas
Na rameira cisão


E prepara o escuro-cama
Escamas e pele de trocar
O vento a levar...

Nenhum comentário: